25 de mar de 2010

O ideal de beleza moderno e como ele aliena as mulheres

Na Antiguidade, na Idade Média o ideal de beleza eram as mulheres gordas, ou para ser mais educado, as cheinhas. Em tempos de fome, guerra ou pragas as gordas eram raras e eram sinônimo de saúde. Por isso elas eram as mais procuradas, enquanto as magras costumavam ser rejeitadas. Hoje as cosas mudaram radicalmente. A ditadura da beleza dita as regras do que é bonito e aceitável e do que não é. Mulheres extremamente magras estampam capas de revistas, estrelam filmes e séries. Enquanto isso as mulheres que não conseguem se "adequar" sofrem preconceito, são humilhadas e às vezes encontram até dificuldade em encontrar emprego por causa disso. Uma mulher, que prefiro ocultar o nome, foi rejeitada pelo namorado, demitida e sofria bullying somente por ser obesa. Deprimida, comia cada vez mais. Era a única coisa que lhe trazia alívio, a comida. Mas ela precisava ficar magra, para ela seria solução de todos os seus problemas. Resultado? Tornou-se bulímica e anoréxica. Emagreceu dez quilos em um mês. Só depois percebeu que o importante não era ser magra e sim se ela aceitava como é.
Esse ideal de beleza precisa ser derrubado. A idéia de que só as magrelas são bonitas transforma milhares de mulheres pelo mundo em paranóicas em emagrecer. E isso não afeta só as mulheres. A maioria dos homens só se sente atraído por magras e ri das obesas.
Campanhas são lançadas mundialmente para tentar mudar este quadro. A Unilever criou o "Mulher de verdade", mas sem sucesso. Alguns blogs nacionais de renome tiveram idéias bacanas. O Ela tá de Xico fez uma série de e posts com fotos de gordinhas sexys. Mas o auge disso foi quando o saudoso Ato ou Efeito criou o AOE Gordinhas com fotos das leitoras mais cheinhas. É claro que isso tem pouco alcance, mas pode ajudar a aumentar a auto-estima das mulheres que têm complexos.
Seja como for, a necessidade de ser magra já está no psicológico feminino e ainda levará muitos séculos antes que ela se vá completamente.

Um comentário:

  1. Só um adendo histórico #nerd, não só ser gordinha indicava saúde como ter quadril largo em tempo de não-cesariana significava também boa reprodutora. Menores chances da criança ou a mãe morrerem no parto.

    E em épocas antigas, reproduzir-se era a máxima da existência =P

    ResponderExcluir