31 de mai de 2010

Novas formas de publicar

Mais ou menos assim eu escrevendo

Até um tempo atrás eu acreditava que haviam muito mais aspirantes a músicos profissionais do que escritores. Pelo menos é a idéia que a mídia passa. Temos programas de calouros, inúmeros cantores aparecem e somem rapidamente, e o Myspace faz inúmeras bandas serem reveladas pelas gravadoras. O mesmo não acontece com os escritores. Depois de um certo tempo, com a internet, percebi que a grande maioria dos escritores amadores escrevem e não se sentem especialmente confortáveis em mostrar suas obras a conhecidos. Alguns escrevem por mero hobby, os outros ainda mantém um fio ínfimo de esperança de serem publicados por uma editora e ganhar fama. Estes últimos escrevem com mais paixão e depois de terminado o livro, saem por aí deixando-o em uma dúzia de editoras, que na maioria das vezes devolve antes mesmo de ler o material. E no Brasil as coisas pioram, já que aqui se tem o hábito de se publicar mais o sucesso certo, aquele best seller que já vendeu milhões de exemplares nos Estados Unidos.
O legal é que na internet, em comunidades específicas, é que os aspirantes a escritores mostram a cara. Não imaginava que fossem tantos. De poesia, contos, crônicas, roteiros de filmes, ou qualquer outro tipo de literatura que você possa imaginar. A qualidade varia muito, mas boa parte acaba deixando a desejar. Faz parte, são escritores amadores ali. Mas é na troca de dicas que está boa parte da graça. As melhores músicas para se ouvir enquanto se escreve, as melhores paisagens, as piores formas de começar uma história (Tipo dizendo que estava uma chuva muito forte ou qualquer outra descrição do tempo. Isso é coisa de escritor sem talento e imaginação) ou como nenhum livro é completamente inventado, sempre há um plágio de algum lugar e você nem se lembra da onde é.
Mas tudo isso que eu falei ainda é muito pouco! Como eu disse acima, enquanto no Myspace milhares de artistas conseguem o sucesso, quantos escritores você por aí sendo revelados da mesma forma? Sites especializados até existem, mas a participação nelas é reduzida e as editoras parecem não dar atenção a eles. E depender de que alguma editora enxergue potencial num livro seu é um saco. Harry Potter só foi publicado depois de ser recusado por 12 editoras. O ideal seria tentar conseguir uma certa popularidade com os primeiros capítulos na internet e depois tentar uma editora. Ou mandar as editoras tomarem naquele lugar e tentar publicar você mesmo seu livro como fez o hoje conhecido André Vianco. Só não dá pra manter as mesmas regras do jogo.

PS1: É, eu sou escritor. Ou tento ser um
PS2: Não, isso não é um texto revoltado porque uma editora recusou o meu livro. Nunca mandei um livro pra nenhuma editora. Pra falar a verdade, nunca escrevi um livro completo.
PS3: Ainda quero comprar um.

Um comentário:

  1. Na minha opinião isso está para mudar.

    Na minha opinião estes autores deveriam disponibilizar estes "textos" gratuitamente na internet e depois publicálos em páginas impressas.

    Outro dia eu li uma notícia dessa, uma escritora fez isso, a sua obra tornou-se conhecida e então publicaram o seu livro.

    Obs: Colocaram para download (pago) nos ebooks.


    "PS3: Ainda quero comprar um."

    Um o que?

    ResponderExcluir